quinta-feira, 26 de novembro de 2009

parado para reformas

Depois de uma longa pausa forçada, primeiro por ter voltado da Itália em cima das vésperas da vernissage e estar atolado de coisas para resolver e fazer antes da mesma. Depois de feita a vernissage, caí em profunda depressão, é normal e é fato depois de chegar à reta final e depois de tanto trabalho. Saio da depressão e pego um belo de um resfriado que se transformou numa forte bronquite.

Entre uma e outras, oficial de justiça que veio me visitar e pegar todos os quadros que ainda tinha em casa, estes serão leiloados no final de janeiro. Isto tudo ainda é a dívida que eu tenho por um acidente com o meu primeiro cachorro, espero me ver livre desta. Achei fantástica a possibilidade de me ver livre dela com o leilão dos meus quadros.

Ando, mesmo com a minha bronquite galopante, arrumando a minha casa e o meu ateliê. Jogando coisa fora, catalogando, e sempre pensando muito no próximo passo. Be-a-bah deu e rendeu. Deixarei o blog no ar, mas deixarei aqui e com esta este blog. Depois de muito pensar decidi fazer dentro do meu site um blog, na verdade uma caixinha de memórias dos meus tempos de teatro. Ví mesmo que preciso exorcizar este tempo. São inúmeras lembranças, fotos, casos e anedotas. Assim que começar este projeto, darei sinal aqui.





No mais tudimpaz e vamo em frente que atrás vem gente!


fotos: MP, Berliner Naturhistorischesmuseum, Inverno de 2008


sexta-feira, 13 de novembro de 2009

exposição

finalmente achei um tempinho, coloquei a exposição PANOPTIKUM no meu site.
clicando no nome da exposição você chega lá.


terça-feira, 13 de outubro de 2009

terça-feira, 22 de setembro de 2009

maratona de berlin 2009
































































































































maratona de berlin. 20. 09. 2009
fotos Miro Paternostro

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

aquele abraço







recebi a visita de meu primo André, sua esposa Simone e seu filho Gabriel, hoje de manhã seguiram viagem para Praga. ainda ontem André correu na maratona de Berlin (detalhes da corrida mais tarde).
ontem quando fui pegar Simone e Gabriel para irmos assistir a
corrida, Gabriel me entregou este desenho que ele fez para mim e para Fio. certamente o melhor agradecimento que eu poderia receber pelos dias maravilhosos que tive com ele e sua família.
Gabriel, sou eu quem agradece e muito a visita de vocês, com certezam deixaram saudades.

um grande abraço meu e de Fio!

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

a parada canina do meu bairro












































teve parada dos cachorros aqui no meu bairro, foi no sábado dia 12, FIO e eu fomos.
teve até o concurso do cachorro mais belo da parada.
aqui algumas fotos.

domingo, 13 de setembro de 2009

arêrê internáutico.1


o verão definitivamente se despediu de vez ontem, fez um dia lindo, mas já bem mais fresquinho... hoje cinza e chuvoso, na verdade iria quebrar a minha pausa do blog, postando sobre a parada dos cacorros, ontem no meu bairro. mas daí que comecei o meu dia do mesmo jeito de que sempre começo, depois de ter cuidado da toillete de Fio, café na mão, sento em frente ao compu leio os jornais, e-mails, blogues, sempre começo com o de Maria.
no dia 11 de setembro, fui um dos primeiros a fazer comentário sobre a postagem do dia anterior, uma carta aberta a um fotógrafo baiano.
ontem Maria não postou, hoje de café na mão, fui conferir o blog dela, estava lá honradíssimo com um conto photográfico a partir de uma foto de um álbum que lhe dei de presente, comprado num mercado de pulgas pelos lados de cá. daí fui conferir também se alguém mais havia comentado qualquer coisa a mais na postagem/carta aberta do dia 10. e aí fiquei besta. lí e relí os comentários, na verdade a maioria respostas anônimas tanto à carta aberta quanto ao meu comentário.
pensei e repensei, depois de muitos cafés tento eu aqui colocar algumas idéias sobre o acontecido.

óbviamente primeiramente me apresentando àqueles que não me conhecem (adorei aquela estória de Miro+quem), nascido e criado na Bahia, meus primeiros dez anos de vida entre o Caminho de Areia (um nome tão lindo para um lugar nem tanto) e o Cabula. fiz até o quarto ano de primário na escola Alfredo Amorim, uma escola pública no largo do papagaio. mudanças, muitas mudanças, ginásio em escola particular e via bolsa de estudos. estudei teatro e larguei, fui pro Rio de Janeiro e estudei moda e pintura, larguei e voltei, trabalhei com muita gente boa, e pude ainda no Brasil ter a grande oportunidade de vir a trabalhar com duas parentas incríveis, Carmen Paternostro e mais tarde com Maria Sampaio. No Núcleo de Fotografia da fundação cultural do estado da Bahia, aprendi muito, aprendi muito mais sobre fotografia do que qualquer escola de artes plásticas poderia me oferecer. com muito respeito digo, aprendi também muito sobre edição eotográfica só espiando o trabalho acurado de Célia Aguiar, sem querer mais entrar em tantos detalhes, aprendi muito sobre respeito humano e a dar valor ao trabalho em conjunto, Maria Sampaio nunca foi a chefe, mas sempres soube manter o núcleo em clima de absoluto repeito e fraternidade e sobretudo PROFISSIONALISMO e ÈTICA PROFISSIONAL (o que no Brasil anda quase em extinção). Célia Aguiar e Edivalma Santanna, mais os garotos do laboratório (que infelizmente não me lembro mais dos nomes, já fazem mais de vinte anos e eu não mantive contato com eles como mantive com Célia e com Edivalma).
depois da I Bienal Fotobahia 1988 eu fiz minhas trouxas e fui me embora da Bahia e do Brasil, relembrando sempre que quem sempre me deu o maior apoio foi minha querida prima Maria Sampaio, que sempre me disse assim: não volte! depois de quatro anos voltei pela primeira vez, a passeio, vira e mexe eu voltava patra passear, cuidar de meu pai, etc. mas confesso aqui com todas as letras, cada vez mais me envergonhando e me decepcionando mais e mais com o jeito que o Brasil se degenera. já bloguei demais da conta sobre isso, meus arquivos estão cheios.
para finalizar a minha apresentação, deixei o Brasil em 1989 e não tenho vontade de voltar! quem quiser saber quem eu sou ou o que fiz que coloque meu nome no google e procure, tem material de sobra.
queria só responder algumas coisas ao anônimo número 1:

anônimo 1: ignorância é citar uma frase depois de ter mexido nela, faz muita diferença dizer:
'parece que ele colocou as folhas de contato online'
do que 'ele colocou as folhas de contato'. você já ouviu falar em difamação e distorção de idéias??? isso tabém dá processo!
querido anônimo 1 dê um pouco mais de atenção à sua leitura. ao que parece você deve ser o mesmo anônimo de mais tarde que fala não saber da 'griffe'(????) e termina seu comentário com um grandioso nhenhenehé! querido, eu com certeza entendo de fotografia. e não me venha falando em processos, danos morais e materias. não ataquei ninguém pessoalmente,como você o faz, fiz apenas um comentário, é meu direito em qualquer democracia! você destorce a minha frase e nem é capaz de dizer quem é! isso sim tem nome: covardia.

quanto ao termo "os saudosistas", só queria dizer uma coisa, a questão não é saudosismo, a questão é que o Brasil é um país sem memória e a memória cultural brasileira tem sido cultivada pelos mais espertos. a cultura brasileira tem se degenerado cada vez mais, a televisão, o besteirol, o orkut e o comércio carnavalesco fazem da cultura brasileira uma vergonha! a questão não é SAUDOSISMO,a questão é querer que todos os brasileiros tenham a mesma oportunidade de conhecer e conhecer bem a sua história e sua cultura, sem o filtro do OPORTUNISMO!!!!

passar bem e um bom domingo.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

homogenda male-art 2010


tive quatro trabalhos selecionados por uma galeria em Amsterdam, estes trabalhos agora se encontram numa agenda, chamada homogenda male-art 2010.
quem quiser visitar os sites e ver tanto os meus trabalhos quanto os trabalhos dos outros artistas (que por sinal me deixaram babando) clique aqui:

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

sábado, 22 de agosto de 2009

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

fábula nebulosa.1


nem mais me lembro direito dela toda, mas me lembro da moral da estória. era a minha fábula preferida, depois que vim morar em Berlin e que tenho cachorros - Fio pra quem não sabe é o segundo, por isso eu queria batizá-lo de PLANO B - que tenho a impressão de vivê-la quase que diáriamente.
era a fábula do velho, o menino e o burro; na verdade uma tragédia grega. mas uma metáfora de uma sociedade em que as pessoas se sentem no dever de se meter na vida dos outros.
se muito não me engano na fábula original só sobrevive o menino, sem avô nem o burro, sozinho no mundo, graças à lingua dos outros.
Fio está entrando na adolescencia, mesmo só tendo quatro meses completos. fase difícil em que ele quer me dar testa.
hoje voltando do passeio matinal, eu tentando tirar a atenção dele de outros cachorros, se não nada funciona! passa uma senhora por nós e solta uma lera. eu não contei até três, passei-lhe uma descompostura daquelas...
traduzindo do alemão, eu bradei:

- a senhora não tem mais o que fazer não, é???
vá tomar conta da sua própria vida... não lhe pedi conselho e nem lhe fiz pergunta alguma, ora merda, se quiser me dar conselho a senhora que vá comprar ração pro meu cachorro...

devo confessar que neste momento tive de parar porque eu práticamente estava babando que nem cachorro raivoso!

devo também ressaltar duas coisas:

1. essa estória do povo dar conselho sem nem ninguém ter pedido é a cara de Berlin.
2. isso me acontece -sem a espuma na boca - pelo menos 5 vezes a cada passeio.


ontem foi o dia mais quente do ano!

quem é que sabe me contar direitinho a fábula do velho, o menino e o burro???

terça-feira, 18 de agosto de 2009

berlin. pixada, colada, pintada.3

prima em alemão quer dizer
supimpa, bárbaro, maravilha...
hoje aqui e agora dedico o meu blog à minha prima prima
Méurissampas, que terminou com louvor ontem seu programa de calouros na radio-do-portuga


VIVA!!!!! PRIMA!!!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

resposta para Janaína

esta idéia dos jardins é herança da revolução industrial, no início do século XIX, primeiro os chamados "jardins de pobres", para que a população carente tivesse a possibilidade de melhorar o seu cardápio, cultivando sua própria horta. mais tarde em Leipzig, o médico Moritz Schreber (hoje em dia chamam os jardins de Shrebergärten, ou os jardins de Schreber) e o professor Ernst Innozenz Hauschield criaram o que seria o oase do homem moderno, ou seja, a possibildade de "tirar férias" na própria cidade. descansar, plantar, relaxar e estar em contato com a natureza. se muito não me engano, os jardins são estatais, você praticamente não aluga, mas paga esta taxa de manutenção, água, luz, coleta de lixo, etc.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

bilhete para Méurissampas















prima querida,
saudades, por onde andas, que não lhe acho?
enrolada no xaile-da-doidia?
domingo passado me lembrei tanto de você, lembra daquela estória que lhe falei dos jardins de fiunal de semana, que a pessoa pode alugar e ter um oase no meio de um parque industrial?
pois é umas amigas minhas têm um desses, fizeram um "churrasco" no domingo passado e me chamaram.
claro, que eu fui só para fotografar e lhe
mandar uma idéia daquilo que tanto lhe impressionou. o jardim é uma gracinha, bem cuidado, elas tem pereiras, macieiras, uma horta, cerejeiras, e outras frutas e flores que nem mesmo eu sei o nome nem em alemão, que dirá em português.
fiquei também impressionado com o custo do aluguel, claro que eu tive de perguntar, €350/ano!!! barat feira, não é mesmo, o resto é custo de luz.
outra dúvida que tirei é possível dormir lá se a pessoa quiser, só não é possível morar.
ano que vem acho que vou entrar numa das muitas listas de espera e me candidatar a um jardinzinho desses, que nota?
saudades muitas,

m










veja bem a entrada nada espetacular da "colônia" jardineira!


































segunda-feira, 10 de agosto de 2009

verões afins.2

Wildenbruchplatz, Neukölln
Berlin, Agosto de 2009


P.S.: Janaína, respeondendo a sua pergunta: o que está escrito no adesivo como o monstrinho é: ESST NAZIS!, que traduzindo quer dizer:
devorem os nazistas!


domingo, 9 de agosto de 2009

sábado, 8 de agosto de 2009

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

verões afins

difícil manter a disciplina nos verões. Berlin é uma cidade especial neste sentido.
quando faz sol, todos só querem uma única coisa: estar na rua, de qualquer jeito.
deixei um pouco de lado o blog, por vários motivos, uma série de catástrofes domésticas me tiraram o humor, nada de muito dramático. só mesmo Fio para me alegrar os dias e o sol para amenizar meus humores.


quando chove, a cidade murcha, o mal-humor se espalha mais rápido que gripe suína.


mas basta o portento dar a sua cara de novo, todos os ratos saem das tocas e invadem parques, beiras de rios e lagos, piscinas públicas e toda e qualquer possibilidade de estar sendo acaraciado pelo calor do sol.


no mês de novembro, alguém aperta um botão e de um dia para o outro todas as folhas de todas as árvores caem de uma vez só e o céu é tomado por um cinza inigualável...
até quem sabe março chegar e trazer de novo um pouquinho de luz.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

pretibranco/schwarzweiss (P & D)

foto © ole otte







terça-feira, 7 de julho '09. estação do metrô Alexanderplatz, final de tarde.
passo por um grupo de estudantes do 2° grau. ando até encontrar um lugar mais ou menos tranqüilo para esperar meu metrô.
um dos estudantes se deslarga do grupo. uma enorme máquina fotográfica na mão. eu espio a cena com o canto dos olhos.
vem em minha direção.
posso tirar uma foto sua com o seu cachorro. digo que sim.
o grupo de estudantes de visita em berlin. o garoto fotografando para um projeto chamado: caras & contos.
deu-me seu cartão com seu e-mail.era para eu lhe escrever e ele me mandava a foto.
dienstag, 07.07.09, u-bahnhof am alex.
ich laufe neben einer gruppe schüler. laufe weiter bis ich einen ruhigen platz finde.
da schaut einer aus der gruppe mit seiner riesigen kamera in meiner richtung.
ich beobachte alles mit den kanten meiner augen.
dann kommt er zu mir und fragt. kann ich dich mit deinem hund fotografieren? ja.
die gruppe, schüler aus Wittenberg, zu besuch in Berlin. das fotoprojekt heißt "faces & stories". er hat mir seine visitenkarten in die hand gedruckt. ich sollte mich melden, er schickt mir das foto.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

da conchinchina ao pelourinho e/ou Thriller, the real one!


clique aqui:



não queria nem tocar no assunto, por respeito.
quem viu ontem as pompas fúnebres de Michael Jackson pela televisão?
eu não.
eu quando criança, adorava os Jackson 5. tinha até um desnho animado, que passava na televisão e que eu assistia com muito prazer.
mais tarde, quando ele fez sua carreira solo, gostava demais do som do álbum mais vendido da história, THRILLER. nunca cheguei a possuir um.
depois de thriller, as aberrações...a mutação começava alí. óbviamente ninguém viveu na pele dele, as humilhações, a violência e os abusos que sofreu. são imperdoáveis. assim como foram o terreno farto para sua mutação física e muito provávelmente mental.

mas sem mais conversa fiada, nos noiciários ví este clip, a "filha" de Michael Jackson falando do grande pai que teve.
além do absurdo e do surrealismo que a cena traz consigo mesmo, o que muito me chocou foi ver uma criança acuada em meio um bando de pessoas que pareciam lhe obrigar a estar alí e a falar aquilo que ela estava falando. os rostos, principalmente o de sua "tia" Janet Jackson, inspiravam mais ódio do que pesar. as carpideiras Jackson acuando a criança, cheia de mãos quase tentáculos sufocavam uma pré-adolescente completamente perdida no mundo.
aquilo me deu um embrulho no estômago, me deu medo, me deu pânico. pobres destas crianças, "filhas" de uma outra criança.

óbviamente Michael Jackson foi um grande artista. sem dúvida nenhuma.
óbviamnete Michael Jackson foi mais do que o artista excêntrico.
óbviamente diante de sua perda o mundo se esquece de seu sofrimento e de suas "fraquezas".

sua morte é uma perda. mas nada do que o aconteceu em vida irá se apagar agora por respeito à sua memória.
muito pelo contrário, depois das pompas esperem pela carnificina Jacksoniana.

acho tudo isso inquietantante, a forma como nós convivemos com nossos vivos e de como resolvemos idolatrar os mortos. quando já não há mais nada a fazer. uma cerimônia de adeus a um ente querido que morreu, é muito mais um tributo para aqueles que estão vivos.
morto não faz catarse.
no caso de Michael Jackson o tributo estrapola todos os superlativos, inclusive o superlativo de nosso cinismo e de nossa hipocrisia.
e o mundo se aninha e da Conchinchina ao Pelourinho a catarse toma conta de tudo.


este video tem pra mim o valor de ficção, de um péssimo filme de terror.

morro de pena destas crianças, agora sem o "pai" e para sempre e todo sempre com um passado surreal, sem uma "família" de verdade e muito provávelmente em meio à famintos abutres.

pobres milionários!

sábado, 4 de julho de 2009

pra quem quiser...

...ver o resultado da exposição que aconteceu no final de semana passado aqui em Berlin, só clicar aqui em baixo.
clicando em baixo da foto p&b, lhe direciona ao link da exposição
da foto colorida, fotos da vernissage no dia 26 de junho.



sexta-feira, 3 de julho de 2009

entre dois mundos e no mesmo lugar


até duas semanas atrás eu era, como sempre gostei de ser: INVISÍVEL, TRANSPARENTE.
desde que ando com esta miniatura de vaca holandesa presa numa coleira, passei a existir.
de repente todos aqueles vizinhos de rua que nunca nem lhe viram, dão bom-dia - óbviamente ao cachorro e depois a você!
muitas são as estórias e histórias. da mesma forma que a variedade entre extremos de simpatia e completa loucura e neurose multiplicam-se ad infinituum!
hoje finalmente fez um lindo dia de verão, acordei cêdo, levei Fio para fazer sua toillete matinal, voltamos tomamos café, e saí com ele mais uma vez, para fazer treinamento.
estou lhe condicionando desde esta tenra e inocente idade, a à cada esquina de rua automáticamente parar e sentar-se.
fui par um lugar sem muito movimento de gente, para que ele não se distraísse muito.
numa esquina, práticamente no cu do mundo, eu falo para Fio: STOPP, SITZ! (pare, sente!), é claro que ainda não funciona assim 100%. estamos bem no começo... ele nada! eu de novo: STOPP! STOPP!
daí passa um senhor, a idade difícil de se arriscar um palpite, principalmente numa cidade em que muitas pessoas envelhecem muito precocimente pelo abuso de cigarro, álcool e frustração. ele passa por mim, e diz assim como que para com os seus botões "rede deutsch mit ihm!" (fale alemão com ele!).
eu parei de dar respostas a este tipo de situação já há muito tempo, prefiro muito mais me fazer de surdo e de desentendido à caçar brigas como eu geralmente o fazia.
o que mais me chamou atenção: como se diz pare em alemão?
STOPP
STOPP
STOPP
putaquepariu STOPP VERDAMMNOCHMALSCHEISSDRECKSTOPPCARALHO!
ergo: um escurinho (eu): estrangeiro: não sabe falar alemão. gera>> stopp:stop, alemão vira inglês! sacou?!
a cada dia que passa mais convencido: as pessoas estão cada vez mais condicionadas a ver o mundo pré-conceituado! pré-concebido! pré-visto!
observei muito isso na Bahia, conversamos muito Maria Sampaio e eu, sobre o assunto, ela mesmo blogou sobre isso no tempo que eu estava lá na Bahia.
que fenômeno é este que práticamente coloca um par de lentes à frente dos olhos das pessoas? poucos, pouquíssimos têm os olhos livres de pré-conceitos!

définitivamente não é uma questão cultural. este fenômeno é mundial, talvez as difernciações de condicionamento, estas sim sejam culturais/regionais. mas mesmo essas diferenças têm diminuido muito devido ao fenômeno da globalização. o mundo se transforma cada vez mais num sagüão de aeroporto:
impessoal, desconfortável, frio e com esta inigualável camaleônica capacidade de ser

qualquer lugar.





quarta-feira, 1 de julho de 2009

fio manda dizer...


...que estou me recuperando de uma gripe gastro-intestinal...
em breve de volta.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

fio

na verdade iria pegá-lo daqui a dez dias, mas a dona do canil me ligou ontem e pediu que eu o trouxesse mais cêdo.
como dizer não?
a princípio iria chamá-lo Tupã, pois nascido dia 19 de abril, dia do índio. difícill de chamá-lo, especialmente aqui em terras sem índios.
depois fiquei entrei Williy, Billy, Phillip, mas no final das contas ele tem mesmo é cara de FIO.
bem vindo à minha vida!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

48 Stunden Neukölln


de 26 a 28 de junho, acontecem as 48 horas de Neukölln, um projeto cultural patrocinado pela gerência cultural do meu bairro, Neukölln.
nestas 48 horas o bairro se apresenta e apresenta seus artistas e criadores, pintores, fotógrafos, cineastas, videastas, grupos de teatro e dança e performance, enfim tudo o que o bairro tem no seu balaio criativo.
eu pretendia participar do evento com uma série de pinturas, mas tive de ir para o Brasil e passar tres meses lá, levei material para trabalhar o que realmente cheguei a fazer até a chuva chegar e com ela a inenarrável força da humidade tropical. aquilo que estava sêco foi já devidamente empacotado e protegido. o que não estava, esperei secar. e o que ainda não havia começado, deixei para começar aqui.

havia levado minha camera analoga, o mesmo tipo de camera que a minha colega de exposição usou para fotografar o seu projeto.
consegui selecionar 12 fotografias em preto e branco, as cópias em papel fosco têm tamnho 50X50. resolvi deixar as pinturas para expor mais tarde e sozinho. são tão simples, mas extremamente pessoais, não poderia mostrá-las neste contexto.
as fotos em preto e branco feitas na Bahia, por outro lado mostram um olhar muito pessoal e muito atual da minha memória emocional e da minha última visita. minha colega, por outro lado resolveu chamr o seu trabalho de "vermes cosmopolitas", uma outro olhar de outras paisagens, Belin, a Europa do Leste. no final acho que o conjunto dos dois trabalhos paralelamente, vai funcionar bem melhor do que no caso das pinturas.

assim que a vernissage acontecer, irei publicar o trabalho no meu portifólio virtual. 

sexta-feira, 5 de junho de 2009

a história do Ó

e um belo dia a tecla O do meu querido portátil, como chamam meus primos os seus notebooks , soltou-se...
procurei na Bahia um representante da Apple, lá nos cafundós das torres gêmeas, um dos lugares mais complicados e chatos para se dirigir em quase todo o mundo. e chovia. resolvi pegar um taxi.
em lá chegando, os dois técnicos da loja estavam no horário de almoço, lá fui eu também almoçar para matar a fome que tinha e diminuir a espera.
depois do almoço e alguns cafézinhos, chegou um dos dois. tinha uma cara de pós-adolescente e um ar rígido que tentava encobrir-lhe o metro e meio de altura.
eu tiro o compu da bolsa, mostro para ele... este olha toca a tecla, faz cara de sabido e diz:
vai ter que deixar aqui, vamos ter de abrir seu computador e trocar as teclas
eu olhei para a cara dele e disse:
abrir meu computador? nê-á-ó-til: NÃO!
ele: o que é, o Senhor (ái como eu detesto esta estória de chamar o mundo de senhor e senhora!!!) não confia no nosso serviço não, é? pois saiba que somos formados e especializados pela Apple.
eu: pode até ser, mas meu computador você não há de abrir. passar muito bem. 
e fui. fui fazendo minha cabeça, se incomode não, mais umas semanas (4!!!) e você tá de volta, vai na loja e tudo bem.
hoje eu fui, coloquei o compu na bolsa, peguei minha bicicleta e fui até a loja do outro ladao da cidade.
o técnico me chama, eu mostro o problema, ela me diz... um minuto eu volto já.
foi e voltou em cinco. computador na mão, sorriso no rosto dizendo: está pronto, posso lhe ajudar em mais alguma coisa?
o prazer de ter meu O de volta INENARRÁVEL.
a felicidade de estar de volta a um mundo em que as coisas funcionam, INFINITA.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

direitos humanos.1

hoje na rua aqui em Berlin, ví um punk juntando as bagas de ciagarro de um cinzeiro na frente de um shopping center.
logo aquilo me assustou, para onde mais fundo cair depois de estar catando as bagas de cigarro que estranhos deixaram na areia de um cinzeiro gigante de porta de shopping???
daí me lembrei da minha estadia na Bahia e do encontro marcado que tinha todos os sábados por volta das 17:00hs. quando voltava da minha visita vespertina de sábado no Lar Franciscano para o apartamento alugado na Carlos Gomes. um mundo de lixo cobria a Carlos Gomes e naquela maré cheia pescavam dos sacos azuis os mendigos, as sobras dos restaurantes a quilo, sobras? o lixo dos restaurantes a quilo! para comer, alguns o faziam alí mesmo diretamente do saco! depois sobrava o brilho do plástico sob a luz amarela dos postes, um mar estilhaçado de plástico azul, negro, restos de papel higiênico a voar pela avenida, dando um ar ainda mais macabro à cena.
na Alemanha é mais difícil ver alguém catando o de comer do lixo dos outros. aqui só passa fome mesmo que já se esqueceu de sí mesmo em todos os sentidos. mas mesmo assim há a pobreza, talvez até a miséria, em forma bem diferente do que o que nós brasileiros estamos acostumados. mesmo assim triste, mesmo assim existente.
ainda assim se embrulha o meu estômago, tanto ao ver o punk catando bagas, como todas as vezes que vi os miseráveis comendo diretamente dos sacos de lixo na Bahia.
se muito não me engano o primeiro artigo dos direitos humanos é:

"Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade."
 
alguém já parou pra pensar direito nestas duas frases?
será que estamos plenamente conscientes de que nada disso é verdade?

quantas crianças nascem diáriamente no Brasil e no mundo já sem liberdade, sem direitos?
e quantas destas crianças se transformarão em seres dotados de nenhuma razão, sem o mínimo de consciência e que jamais agirão para com quaisquer que sejam os outros com espirírito de fraternidade?


se amanhã eu ver de novo alguém pegando uma baga de cigarro no cinzeiro, meu estômago não vai mais se embrulhar, porque sei que este aqui o faz porque quer.
mas pelos sábados de tarde na Carlos Gomes, meu estômago ainda  há de embrulhar-se e muito!


terça-feira, 2 de junho de 2009

reflexos

os dias se passam, o tempo volta ao normal, o ôco no juízo volta a se preencher. as imagens, os sons, os reflexos deste três meses no Brasil... saudades, lembranças, melancolias, alegrias também.
foi uma viagem longa e por demais introspectiva. 
vinte anos se passaram e tanto que aconteceu, estou aqui de volta e estou ainda lá. muito se foi remexido, poeiras tiradas, outras ainda tão entranhadas.
e o reflexo disso tudo ainda assim destorcido e turvo. emaranhado. lembrança tangente.

domingo, 31 de maio de 2009

jet lag.2

pense assim... segunda-feira dia 25 de maio, fui ao meu treino de boxe pela última vez na Bahia, já na beira de viajar, tudo meio misturado ainda na minha cabeça, talvez mesmo um prenúncio disto que estou sentindo agora, parecendo que tem um liquidificador ligado em camera lenta no meu juizo. mas sim, voltando ao dia 25, saio do boxe suado e morto de fome, não resisto, solto do ônibus no corredor da vitória e vou ao Mc D, colocar para dentro todas as calorias que acabara de perder e um pouco mais. e eis então o nó na cabeça:
segunda-feira, 25 de maio, por volta das 19:30













este era apenas um dos muitos pares de noivos...











o nó no meu juizo se deu de imediato, pensei será que jet lag já vem por antecedencia???

ainda bem que estava de posse da minha camera, se não contando ninguém acreditava!

sexta-feira, 29 de maio de 2009

jet lag.1

fui falar de boca cheia antes da hora. pois ele chegou, o maldito do jet lag, minha cab'cinha está mais ou menos como esta foto aí em cima, cheia de duplas triplas exposições. ao acordar inúmeros sons se misturavam na minha cabeça...
seis calcinha a sete reais examemédico de graça baguamkeliênamastê examedevista examedevista examedevista louvemos o senhor 100%jesus obrigadojesus seis calcinhas a sete reais óooooolha o gás tiktiktiktiktik domingãodofaustão pagodes parangolés balacobaco piriri porororó plimplim muitos plimplims deusémaisemedefenda xocotôberuló

será que dava pra desligar esta caixa de sons que está dentro do meu juízo???