quarta-feira, 8 de julho de 2009

da conchinchina ao pelourinho e/ou Thriller, the real one!


clique aqui:



não queria nem tocar no assunto, por respeito.
quem viu ontem as pompas fúnebres de Michael Jackson pela televisão?
eu não.
eu quando criança, adorava os Jackson 5. tinha até um desnho animado, que passava na televisão e que eu assistia com muito prazer.
mais tarde, quando ele fez sua carreira solo, gostava demais do som do álbum mais vendido da história, THRILLER. nunca cheguei a possuir um.
depois de thriller, as aberrações...a mutação começava alí. óbviamente ninguém viveu na pele dele, as humilhações, a violência e os abusos que sofreu. são imperdoáveis. assim como foram o terreno farto para sua mutação física e muito provávelmente mental.

mas sem mais conversa fiada, nos noiciários ví este clip, a "filha" de Michael Jackson falando do grande pai que teve.
além do absurdo e do surrealismo que a cena traz consigo mesmo, o que muito me chocou foi ver uma criança acuada em meio um bando de pessoas que pareciam lhe obrigar a estar alí e a falar aquilo que ela estava falando. os rostos, principalmente o de sua "tia" Janet Jackson, inspiravam mais ódio do que pesar. as carpideiras Jackson acuando a criança, cheia de mãos quase tentáculos sufocavam uma pré-adolescente completamente perdida no mundo.
aquilo me deu um embrulho no estômago, me deu medo, me deu pânico. pobres destas crianças, "filhas" de uma outra criança.

óbviamente Michael Jackson foi um grande artista. sem dúvida nenhuma.
óbviamnete Michael Jackson foi mais do que o artista excêntrico.
óbviamente diante de sua perda o mundo se esquece de seu sofrimento e de suas "fraquezas".

sua morte é uma perda. mas nada do que o aconteceu em vida irá se apagar agora por respeito à sua memória.
muito pelo contrário, depois das pompas esperem pela carnificina Jacksoniana.

acho tudo isso inquietantante, a forma como nós convivemos com nossos vivos e de como resolvemos idolatrar os mortos. quando já não há mais nada a fazer. uma cerimônia de adeus a um ente querido que morreu, é muito mais um tributo para aqueles que estão vivos.
morto não faz catarse.
no caso de Michael Jackson o tributo estrapola todos os superlativos, inclusive o superlativo de nosso cinismo e de nossa hipocrisia.
e o mundo se aninha e da Conchinchina ao Pelourinho a catarse toma conta de tudo.


este video tem pra mim o valor de ficção, de um péssimo filme de terror.

morro de pena destas crianças, agora sem o "pai" e para sempre e todo sempre com um passado surreal, sem uma "família" de verdade e muito provávelmente em meio à famintos abutres.

pobres milionários!

3 comentários:

  1. ái, miro... que coisa horrível este vídeo. Não o vídeo, a situação! Farão com a menina e os meninos o que fizeram com ele?
    Um amigo ontem me disse, M.J. até do próprio corpo fez uma obra de arte, esculpindo-o como bem quis.
    C'est la vie.

    ResponderExcluir
  2. Carmen paternostro12 de agosto de 2009 07:31

    Primo voce está o máximo com esta foto com Fio.
    Seu blog está gostoso e leve. Gosto muito da sua leitura do funeral golden de Jackson. Patético. Poderiam cuidar de alguns somalis refugiados que não teem o que comer.
    Beijos primalda Carmosina

    ResponderExcluir